/José DRUMMOND/

(The Winker), 2011
Impressão HQ em papel fotográfico HQ print on photo paper
(1x3 +AP)
150x100cm

Na série “The Winker”, ao invés de uma ferramenta objetiva de reconhecimento da realidade, a fotografia é uma consciência congelada que, por extensão, sugere um imaginário em supressão. É um núcleo que, como ponto de partida, usa uma experiência pessoal e sensorial, posteriormente passada para o campo imagético. A exploração processual surgiu depois de múltiplos tratamentos aos olhos. Procedimentos com gotas, que provocaram várias horas de visão completamente desfocada. Após esta prova - no qual o campo de percepção visual habita numa total ilusão, por inoperância física óbvia - nasceu a sugestão em explorar os momentos das gotas e da desfocagem como o de realização fotográfica e de insinuar o piscar de olhos para a focagem. O numeral dos títulos de cada um dos trabalhos desta série obedece à representação de código de barras, que, em conjunto com a aura dos elementos representados, toma como inspiração os winks trocados no mundo do online dating, onde “catálogos” são ordenados por diversos elementos e oferecem opções de sonho.

José Drummond, 2013©


José Drummond (Lisboa, 1965) é um artista contemporâneo e curador português que, atualmente, vive e trabalha na China. É director do VAFA, festival de vídeo-arte em Macau. Estudou pintura, desenho e cenografia em Lisboa e frequentou o Atelier Livre do Professor Pedro Morais. Mais tarde estudou Gestão de Artes.
Os seus trabalhos não são definidos por média, estilo ou tema, mas pela noção de processo. Algumas das estratégias que adota no seu trabalho fazem sobressair o sentido sobre a estética. No entanto, é a condição de relacionar arte com ilusão o limite imposto. A dualidade entre visibilidade e invisibilidade, fantasia e realidade, experimentação e referência, a par de uma investigação específica dos materiais, dos seus limites e parâmetros, são aspectos intrínsecos da sua abordagem. Drummond concentra-se no caminho no qual uma prática ou uma ação podem alterar-se ou desenvolver-se numa obra de arte. Na sua mais recente série de trabalhos, luzes, sombras, reflexos, espelhos, círculos giratórios e desequilíbrio são frequentemente utilizados como método operacional em busca de sensações de dormência, vertigem, engano e sedução como fontes de prazer. Desde o final da década de 1980, Drummond tem vindo a criar um conjunto de trabalhos que incluem fotografia, vídeo, pintura, desenho, instalação e objetos.

In "The Winker" series, rather than an objective tool for recognition of reality, photography is a frozen conscience, which by extension suggests an imaginary suppression. As a starting point it is a core that uses personal and sensory experience, subsequently delivered into the imaging field. The process experimentation ascended after multiple treatments of the eyes. Several hours of completely blurred vision caused by procedures with eye drops. The suggestion to explore the moments of the drops and its fuzziness as the photographic direction, and to insinuate the blink of the eyes to focus was born after this test - in which the field of visual perception dwells in total illusion, for obvious physical failings. The titles numeral each one of the works in this series obeys to the representation of barcodes, which, together with the aura of the elements represented, takes inspiration on the winks exchanged in the world of online dating, where "catalogs" are ordered by diverse elements and offer dream options.

José Drummond, 2013©


José Drummond (Lisbon, 1965) is a Portuguese contemporary artist and curator, currently living and working in China. He is the director of VAFA, video art festival in Macau. He studied painting, drawing, and stage set design in Lisbon where he also attended professor Pedro Morais’ Atelier Livre. Later on he studied Arts Management.
His works are not so much defined by media, style, or theme as they are by process. Indeed, some of the strategies adopted by Drummond in his work stress meaning over aesthetics, with the condition of relating art and illusion as the self-imposed limit. The duality between visibility and invisibility, fantasy and reality, experimentation and reference, along with a specific investigation of the limits and parameters of materials are intrinsic to his approach. Drummond focuses on how a practice or action may be altered or developed into a work of art. In his latest series of works, lights, shadows, reflections, mirrors, spinning circles and disequilibrium are often used as an operational method in a search for sensations of numbness, vertigo, deception and seduction as sources of pleasure. Since the late 1980’s, José Drummond has created a body of work that includes photography, video, painting, drawing, Installation and objects.