/Jan FABRE/

REQUIEM FÜR EINE METAMORPHOSE A theatrical mass for the dead by Jan Fabre, 2007
Registo de espetáculo transcrito para DVD, Video HD, PAL, 16:9, Versão em inglês.1h45’ aprox. Dim. Variáveis. Documentation of show DVD, Video HD, PAL, 16:9, English version, 1h45’ aprox. Variable Dim.
Fotografia Photography: Oskar Anrather & Ursula Kaufmann Copyright
Texto, direção, cenografia, coreografia Text, director, scenography, coreography: Jan Fabre
Música Music: Serge Verstockt
Produção Production: Troubleyn│Jan Fabre (Bélgica), Salzburger Festpiele (Áustria), RuhrTriennale (Alemanha), Vilnius European Capital of Culture 2009 (Lituania)
Colaboração Artística / Co-Produção Artistic collaboration/ Co-production: Champ d’Action (Bélgica), Mladinsko Theatre (Eslovénia), Zagreb Youth Theatre (Croácia), Sirens Festival (Lituânia), Missdeluxedanceco (Luxemburgo)

“Requiem para uma metamorfose” é um requiem cujo foco principal é a despedida. Despedida da vida, da matéria, da existência terrena, do tempo. A morte é uma despedida. O corpo encolhe, a pele morre e, finalmente, dissolve-se lentamente no chão frio. Tudo o que resta são os ossos, a pedra dura do que foi outrora uma vida humana. O resto perece. Tudo perece. A vida é transitória: é uma dura lição que ficou gravada em nós desde tempos imemoriais. A Morte com a sua foice, o maior democrata, corta abruptamente o significado da vida à luz da eternidade. A Morte é a encarnação definitiva da teoria da relatividade.Mas isso deve levar-nos ao reconhecimento dos nossos erros, para ser discreto, para levar uma vida curva, arqueada? No “Réquiem para uma metamorfose” de Fabre, a Morte não é um fim. É um ponto de transição, uma espécie de rito de passagem para outra existência. O corpo assume uma forma diferente, o último suspiro transforma-se numa questão diferente, a carne transforma-se numa solução gasosa complexa. O terreno em que o corpo desaparece é como funciona um químico. O caixão é um carro de remoção. A Morte é uma despedida, mas não por muito tempo. A lâmina do ceifeiro é um pouco como a célula de esperma rasgando o óvulo. Um beijo da morte, que está repleto de vida.

Luk Van den Dries, 2007/ TROUBLEYN │JAN FABRE
Performing arts©


Durante mais de 25 anos, Jan Fabre (Antuérpia, 1958) tem ocupado uma posição de liderança internacional como um artista visual inovador, fabricante de teatro e autor de projetos multifacetados. No final dos anos setenta, concluiu cursos na Academia Real de Belas Artes e no Instituto Municipal de Artes Decorativas e Artesanato, ambos em Antuérpia. (...) Jan Fabre esteve presente em eventos de arte de importante alcance, e trabalhou internacionalmente em numerosas exposições individuais e de grupo. A primeira exposição que traçou a sua ampla gama de atividades artísticas foi Homo Faber. Os vários aspectos da sua arte visual foram mostrados em vários locais em Antuérpia, incluindo museus de arte antiga e contemporânea. (...) Desenhos, esculturas, objetos, instalações, filmes, performances, modelos de pensamento e outros: todas as obras de Jan Fabre fazem referência a uma crença no corpo vulnerável e na sua defesa, além de uma observação do homem e questionando de que forma ele pode sobreviver no futuro. (...) A metamorfose é um conceito-chave em qualquer abordagem para o percurso artístico Jan Fabre, em que os humanos e a existência animal estão em constante interação. Isso levou-o a retratar o corpo sensual e o espiritual, a criação de uma variedade de corpos imortais resistentes aos ciclos naturais de crescimento e decadência. O seu trabalho como artista é um ato poético de resistência sob a bandeira da beleza, um exercício de desaparecimento ou uma celebração da vida como uma preparação para a morte. Ao longo dos anos, ele moldou o seu próprio mundo com as suas leis e regras, personagens recorrentes, símbolos e motivos.

TROUBLEYN │JAN FABRE
Performing arts©

Requiem for a Metamorphosis is a requiem whose main focus is leave-taking. Taking leave of life, of matter, of the earthly existence, of time. Death is a leave-taking. The body shrivels, the skin deadens and ultimately slowly dissolves into the cold ground. All that remains are the bones, the hard stone of what was once a human life. The rest perishes. Everything perishes. Life is transitory: it is a harsh lesson that has been impressed upon us since time imemorial. Death with his scythe, the greatest democrat, cuts short the significance of life in the light of eternity. Death is the ultimate incarnation of the theory of relativity.
But should this realization prompt us to see the error of our ways, to be self-effacing, to lead a gibbous life?
In Fabre`s Requiem for a Metamorphosis, death is not an ending. It is a transitional point, a sort of rite of passage to another existence. The body assumes a different form, the last breath transforms into a different matter, the flesh transforms into a complex gaseous solution. The ground into which the body vanishes is like a chemical works. The coffin is a removal van. Death is a farewell, but not for long. The reaper´s blade is somewhat like the sperm cell ripping open the ovum. A kiss of death, which is teeming with life.

Luk Van den Dries, 2007/ TROUBLEYN │JAN FABRE
Performing arts©


For more than twenty-five years, Jan Fabre (b. Antwerp, 1958) has occupied a leading international position as a groundbreaking visual artist, theatre maker and author. In the late seventies he took courses at the Royal Academy of Fine Arts and the Municipal Institute of Decorative Arts and Crafts, both in Antwerp. (...) Jan Fabre was present at major art events, and worked internationally on numerous solo and group exhibitions. The first exhibition to chart his broad range of artistic activities was Homo Faber. The various aspects of his visual art were shown at several locations in Antwerp, including the museums of early and contemporary art. (...) Drawings, sculptures, objects, installations, films, performances, thinking models and others: all the works by Jan Fabre the visual artist make reference to a belief in the vulnerable body and its defence, plus an observation of man and asking the question of how he can survive in the future. (...) Metamorphosis is a key concept in any approach to Jan Fabre’s artistic course, in which human and animal existence are constantly interacting. This led him to the portrayal of the sensual and the spiritual body; the creation of a variety of deathless bodies resistant to the natural cycles of growth and decay. His work as an artist is a poetic act of resistance under the flag of beauty, an exercise in disappearance or a celebration of life as a preparation for death. Over the years he has shaped his own world with its laws and rules, and recurring characters, symbols and motifs.

TROUBLEYN │JAN FABRE
Performing arts©